25.2.08

Sexo, homem x máquina (0/3): uma introdução, ou...

...Porque esse maluco resolveu falar sobre transar com robôs?

"(...)We are the robots
Ja tvoi sluga
Ja tvoi Rabotnik robotnik
We are programmed just to do
anything you want us to
we are the robots(...)"

(Kraftwerk - The Robots)


A algumas semanas atrás eu vi uma matéria em várias mídias comentando sobre um tal de David Levy, especialista em Intaligência artificial que escreveu um livro entitulado, "Robots Unlimited: life in a virtual age", onde ele trabalha muito em cima das possibilidades de futuras interações sexuais entre homens e robôs. A partir daí saí em busca de algo mais profundo e achei na área de sexualidade do site about.com uma entrevista feita pelo Cory Silverberg, com o David Levy (quem quiser lêr é só clicar aqui), e achei muito interessante, mas entrarei nas questões levantadas por ele em outro texto.

A partir daí comecei a me questionar sobre algumas questões, já não vivemos de certa forma em uma época onde nos relacionamos sexualmente com máquinas? Já não direcionamos muitas pesquisas e desenvolvimentos tecnológicos para o ato de nos dar prazer? E claro a pergunta que não quer calar, será que os japoneses já tem alguma série de filmes, hentais, animês e um nome para o fetiche com robôs?

Então nada melhor que uma série (mais especificamente uma trilogia pq eu sou "nerd"), para pensarmos um pouco sobre essas questões, o primeiro post será sobre o imaginário do robô, a idéia do fetiche com a máquina, a ficção-científica já trazendo isso em suas histórias, hq´s, mangás, e japoneses (as vezes eles me dão medo). No segundo post falarei sobre o hoje, o que temos sobre essa relação em nossa sociedade nos dias atuais, como essa prática de buscar o prazer à qualquer custo tem uma longa trajetória de vida, e por fim , o terceiro vai tratar de pesquisas na área e o que se promete para o futuro.

Espero que gostem, e que eu consiga dar conta disso tudo durante essa semana. Até a próxima pessoal!

Fortuna!

* foto de Sebastian Niedlich (Grabthar), mostra o robô do clipe "All is full of love", da Björk, em exibição especial no museu de comunicação de Berlim.

5 comentários:

Nathy disse...

humm isso me lembrou second life.

ser humano só pensa em comer, transar e falar né??
shauhsauhsau

tinha que inventar sexo com robô?

coisa bizarra mesmo. tsc tsc tsc.

New disse...

Olá!
Tem um mimo prá vc no http://xereta.blog-br.com/
Beijos.

New disse...

Oiêee!
Seu blog tá na minha lista de favoritos no Xereta.
Beijos e bom final de semana.

Whiskey Jack disse...

Me lembrei dos celulares com seus designs atraentes e com materiais confortaveis.
Dão prazer de ter, de olhar.

Sim, acho mesmo que vc em razão.
Temos, mesmo que num nivel minusculo, um relacionamento sexual com as maquinas.

E acabei de me lembrar dos carros esportes da decada de 60 e 70.

New disse...

Oi, como vai?
Tem outro selo pra´vc no http://plasticobr.blogpost.com

Beijos.